31/07/2015

Análise crítica dos formatos de jogo e dos regulamentos competitivos em vigor no futebol de formação em Portugal

Introdução
É mais ou menos consensual entre os principais agentes desportivos que o jogo competitivo, como elemento fundamental no processo formativo de crianças e jovens, deve estar convenientemente adaptado às características dos praticantes. Apesar disso, inúmeras evidências científicas recentes não abonam muito a favor de alguns formatos de jogo oficiais em vigor em certos escalões etários. Assim sendo, creio que não será descabido recomendar que os diversos agentes envolvidos no futebol português (i.e., treinadores, dirigentes, coordenadores técnicos, árbitros, etc.) reflitam em conjunto sobre esta problemática e, caso entendam necessário, tomem medidas para uma progressão mais adequada dos jovens praticantes pelos formatos de jogo, ao longo de todo o processo formativo (de Petizes, Sub-6, aos Juniores, Sub-19). Em última instância, este artigo visa propor uma série de alterações à competição nos escalões de formação, no intuito de salvaguardarmos o praticante, em particular, enquanto entidade a formar/desenvolver, e a qualidade do futebol português, em geral, a médio/longo prazo.

Formatos de jogo: Que mudanças farão sentido?
A organização dos formatos do jogo de futebol em vigor em Portugal, nos diversos escalões etários, encontra-se expressa na Tabela 1.

Tabela 1. Os formatos de jogo, em vigor em Portugal, no futebol de formação. 
(p.f., clique para ampliar)

Conforme podemos observar, aos 10 anos de idade, as crianças já competem no Futebol 7 (F7: Gr+6v6+Gr) e aos 14 anos, quando tal não sucede logo aos 12 anos, os jovens começam a experienciar o formato de jogo oficial do futebol sénior: o Futebol 11 (F11: Gr+10v10+Gr). Do ponto de vista da formação do jogador, será lógico colocar uma criança de 10 anos a jogar F7 ou um jovem de 12 a competir no F11?

Desde o início do século XXI, as evidências científicas inerentes à comparação de formatos de jogo competitivo no futebol de formação têm-se multiplicado. A título de exemplo, Capranica et al. (2001) compararam a atividade de jovens Sub-12 no F7 (60x40m) e no F11 (100x65m) e verificaram que o número de sprints curtos e de passes foi superior no F7, enquanto o número de desarmes foi significativamente menor, comparativamente ao F11. Estes autores concluíram que o F7 é mais apropriado para crianças pré-adolescentes, pois possibilita um maior envolvimento com a bola. Em 2007, os investigadores britânicos Jones & Drust compararam o perfil de desempenho de crianças Sub-8 nos formatos de jogo F4 (Gr+3v3+Gr, 30x25m) e F8 (Gr+7v7+Gr, 60x40m) e constataram que o número de contactos individuais com a bola foi significativamente superior no F4. Para além da frequência de ações técnicas executadas, a manipulação do número de jogadores também afetou o tipo de ações realizadas. Mais tarde, os gregos Katis & Kellis (2009) compararam os formatos F4 (25x15m) e F7 (40x30m) em jovens Sub-14. O F4 proporcionou um número significativamente mais elevado de passes curtos, remates, desarmes, dribles e golos; por sua vez, no F7 observaram-se mais passes longos e cabeceamentos. Estes resultados, em conjunto com dados de outras investigações, têm comprovado que os formatos de jogo mais reduzidos possuem um enorme potencial no desenvolvimento das capacidades técnicas e táticas individuais e específicas do jogo.

Deste modo, podemos afirmar que a evolução dos formatos de jogo poderia ser mais faseada e adaptada às capacidades dos praticantes nos diferentes escalões etários. À luz das evidências científicas atuais, fará mais sentido para a formação do jovem praticante de futebol a reorganização da competição como consta na Tabela 2.

Tabela 2. Proposta de reorganização dos formatos de jogo para o futebol de formação em Portugal. 
(p.f., clique para ampliar)

Nesta proposta, o fator tempo é decisivo para a qualidade do processo de formação. Destaco a introdução do F5 (Gr+4v4+Gr) nos Benjamins (Sub-11) e uma transição mais suave do F7 (Sub-13) para o F11 (Sub-17), com a implementação do F9 (Gr+8v8+Gr) no escalão de Iniciados (Sub-15), como já existe em algumas federações territoriais espanholas (Lapresa et al., 2008b). Embora as implicações logísticas possam ser um problema, acredito que seriam perfeitamente ultrapassáveis. Nos Juniores (Sub-19), por se tratar do último escalão de formação, o formato de jogo e suas especificações regulamentares devem ser rigorosamente iguais às existentes no escalão sénior.

Figura 1. A progressão dos formatos de jogo competitivo: duas vias distintas.
(fonte: Lapresa 
et al., 2008a)

Regulamentos competitivos: Como não “cortar” oportunidades?
Além da problemática dos formatos de jogo propostos às crianças/jovens, os respetivos regulamentos, como parte integrante do processo formativo, não devem constituir um fator limitador da participação dos jovens praticantes na competição; pelo contrário, devem maximizar as oportunidades de participação nos jogos para o maior número possível de elementos da equipa. Por outro lado, tal como o Código Civil preconiza direitos e deveres distintos para indivíduos adultos e menores de idade, assim deveriam ser os regulamentos disciplinares subjacentes à competição no futebol infantojuvenil. Infelizmente, não é isso que acontece.

Seguidamente, apresento algumas propostas de alteração dos regulamentos competitivos, no intuito de ajustar a realidade vigente aos propósitos do futebol de formação:

· Alargar as substituições volantes (ilimitadas) ao escalão de Iniciados (Sub-15);
· Aumentar o número de substituições para 5 nos Juvenis (Sub-17);
· Abolir o cartão vermelho até aos Iniciados (Sub-15), inclusive: na minha perspetiva, é inconcebível penalizar as equipas e as crianças/jovens que estão no banco de suplentes por comportamentos de indisciplina ou pelo recurso permanente à falta de um companheiro. Perante um cenário de dupla admoestação (cartão amarelo) ou ordem de exclusão imediata, o jogador prevaricador seria substituído por outro companheiro de equipa, sem possibilidade de voltar a reentrar nesse mesmo jogo, mas mantendo a igualdade numérica entre as equipas;
· Elaborar um regulamento de disciplina específico para o futebol de formação: por exemplo, um jovem defensor que corte a bola com a mão em cima da linha de golo implica que a sua equipa seja triplamente penalizada (grande penalidade, expulsão imediata e, por norma, um jogo de suspensão), tal como no futebol sénior. Como este, outros exemplos poderiam ser dados. Será que este regime severo de penalização/castigo serve a formação de jovens praticantes de futebol?

Conclusão
Este artigo não tenciona transmitir a ideia de que tudo está mal no futebol de formação em Portugal. Não é isso que está em causa, até porque houve determinadas medidas que foram implementadas (por exemplo, a introdução do F7, a adequação da duração das partes de jogo em cada escalão etário, entre outras) que merecem o nosso aplauso. Porém, como em qualquer outra área de intervenção, deve haver sempre espaço para inovarmos e refinarmos processos e procedimentos. Neste âmbito, se pretendemos que a competição contribua para a melhoria qualitativa do processo formativo do jogador, então urge repensar algumas questões relativas aos formatos de jogo e aos respetivos regulamentos competitivos para os diversos escalões etários. Ao invés, se entendemos que a competição no futebol de formação deve assumir contornos de rendimento similares às provas seniores, o mais lógico será mesmo manter a estrutura competitiva tal como está.

Referências
Capranica, L., Tessitore, A., Guidetti, L., & Figura, F. (2001). Heart rate and match analysis in pre-pubescent soccer players. Journal of Sports Sciences, 19, 379-384.
Jones, S., & Drust, B. (2007). Physiological and technical demands of 4v4 and 8v8 games in elite youth soccer players. Kinesiology, 39(2), 150-156.
Katis, A., & Kellis, E. (2009). Effects of small-sided games on physical conditioning and performance in youth soccer players. Journal of Sports Science and Medicine, 8, 374-380.
Lapresa, D. A., Idiakez, J. A., Echevarría, B. G., García, R. E., & Jiménez, M. A. (2008a). Enseñando a jugar “El Fútbol” hacia una iniciación coherente. Logroño: Universidad de La Rioja, Federación Riojana de Fútbol. 
Lapresa, D. A., Jiménez, M. A., García, R. E., Idiakez, J. A., & Echevarría, B. G. (2008b). Análisis descriptivo y secuencial de la fase ofensiva del fútebol 5 en la categoría prebenjamín. Cultura, Ciencia y Deporte, 8(3), 107-116.

2 comentários:

hmtavares disse...

Excelente contribuição meu caro amigo. Uma proposta a seguir, sem qualquer margem para dúvidas. Parabéns!!

Carlos Humberto Almeida disse...

Obrigado, Hugo. Há quanto tempo não sei de ti... Espero que esteja tudo bem contigo e que a vida vá correndo bem. Um forte abraço e até breve. :)