31/10/2008

Palpita-me que... Não!

O internacional português Ricardo Quaresma (Inter de Milão), comentou, recentemente, na imprensa italiana que acha justo que o compatriota Cristiano Ronaldo seja proclamado o melhor jogador do mundo pela FIFA, assim como bola de ouro.

Contudo, não se fez rogado e atirou: "sonho em um dia ser o melhor jogador do mundo".

O mais provável é eu nunca vencer o euromilhões, mas meto as mãos no fogo como o sonho do Quaresma não passará disso mesmo.

Oxalá esteja engado!

29/10/2008

Maldita rinite alérgica!

Chega o Outono e com a estação, não somente as castanhas e os magustos, mas também as infecções respiratórias virais e as queixas alérgicas, nomeadamente de rinite alérgica e de asma. Tal deve-se às alterações climatéricas típicas da época, a par de maiores concentrações de ácaros no pó doméstico.

Segundo Mário Morais de Almeida, presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), os alergénicos do ambiente interior, tais como ácaros do pó doméstico, são a "principal causa de alergia na população portuguesa", ainda que os pólenes do ambiente exterior e o fumo do tabaco também se perfilem como outras causas.

A rinite alérgica é, portanto, "uma doença inflamatória crónica da mucosa nasal, resultante de uma reacção de hipersensibilidade, clinicamente caracterizada por prurido nasal (comichão no nariz), rinorreia nasal (corrimento no nariz), espirros e obstrução ou congestão nasal (nariz entupido), reversível espontaneamente ou com tratamento" (Mário Morais de Almeida, in Dica da Semana, 30-Out-2008: 11), à base de medicamentos anti-histamínicos e/ou anti-inflamatórios.

Além disso, o especialista recomenda que se mantenham as casas arejadas e com ventilação adequada, que se evitem alcatifas e carpetes (retêm ácaros) e que se controle a humidade relativa das habitações em valores inferiores a 50%.

Fonte: Jornal Dica da Semana, Edição n.º 349, 30 de Outubro de 2008, p. 11.

27/10/2008

"Os inúteis" de Miguel Sousa Tavares

Não, não é um título de um livro do escritor, mas a forma como este classificou os professores. Mais concretamente: "os professores os inúteis mais bem pagos deste país".

Uma colega de Língua Portuguesa (Ana Maria Gomes, da Escola Secundária de Barcelos) respondeu às declarações do escritor, jornalista e supra-sumo da sabedoria da seguinte forma:

"É do conhecimento público que o senhor Miguel de Sousa Tavares considerou 'os professores os inúteis mais bem pagos deste país.' Espantar-me-ia uma afirmação tão generalista e imoral, não conhecesse já outras afirmações que não diferem muito desta, quer na forma, quer na índole.

Não lhe parece que há inúteis, que fazem coisas inúteis e escrevem coisas inúteis, que são pagos a peso de ouro? Não lhe parece que deveria ter dirigido as suas aberrações a gente que, neste deprimente país, tem mais do que uma sinecura e assim enche os bolsos? Não será esse o seu caso? O que escreveu é um atentado à cultura portuguesa, à educação e aos seus intervenientes, alunos e professores. Alunos e professores de ontem e de hoje, porque eu já fui aluna, logo de 'inúteis', como o senhor também terá sido. Ou pensa hoje de forma diferente para estar de acordo com o sistema?

O senhor tem filhos? - a minha ignorância a este respeito deve-se ao facto de não ser muito dada a ler revistas cor-de-rosa. Se os tem, e se estudam, teve, por acaso, a frontalidade de encarar os seus professores e dizer-lhes que 'são os inúteis mais bem pagos do país.'? Não me parece... Estudam os seus filhos em escolas públicas ou privadas? É que a coisa muda de figura! Há escolas privadas onde se pagam substancialmente as notas dos alunos, que os professores 'inúteis' são obrigados a atribuir. A alarvidade que escreveu, além de ser insultuosa, revela muita ignorância em relação à educação e ao ensino. E, quem é ignorante, não deve julgar sem conhecimento de causa. Sei que é escritor, porém nunca li qualquer livro seu, por isso não emito julgamentos sobre aquilo que desconheço. Entende ou quer que a professora explique de novo?

Sou professora de Português com imenso prazer. Oxalá nunca nenhuma das suas obras venha a integrar os programas da disciplina, pois acredito que nenhum dos 'inúteis' a que se referiu a leccionasse com prazer. Com prazer e paixão tenho leccionado, ao longo dos meus vinte e sete anos de serviço, a obra de sua mãe, Sophia de Mello Breyner Andresen, que referencio. O senhor é a prova inequívoca que nem sempre uma sã e bela árvore dá são e belo fruto. Tenho dificuldade em interiorizar que tenha sido ela quem o ensinou a escrever. A sua ilustre mãe era uma humanista convicta. Que pena não ter interiorizado essa lição! A lição do humanismo que não julga sem provas! Já visitou, por acaso, alguma escola pública? Já se deu ao trabalho de ler,com atenção, o documento sobre a avaliação dos professores? Não, claro que não. É mais cómodo fazer afirmações bombásticas, que agitem, no mau sentido, a opinião pública, para assim se auto-publicitar.

Sei que, num jornal desportivo, escreve, de vez em quando, umas crónicas e que defende muito bem o seu clube. Alguma vez lhe ocorreu, quando o seu clube perde, com clubes da terceira divisão, escrever que 'os jogadores de futebol são os inúteis mais bem pagos do país.'? Alguma vez lhe ocorreu escrever que há dirigentes desportivos que 'são os inúteis' mais protegidos do país? Presumo que não, e não tenho qualquer dúvida de que deve entender mais de futebol do que de Educação. Alguma vez lhe ocorreu escrever que os advogados 'são os inúteis mais bem pagos do país'? Ou os políticos? Não, acredito que não, embora também não tenha dúvidas de que deve estar mais familiarizado com essas áreas. Não tenho nada contra os jogadores de futebol, nada contra os dirigentes desportivos, nada contra os advogados. Porque não são eles que me impedem de exercer, com dignidade, a minha profissão. Tenho sim contra os políticos arrogantes, prepotentes, desumanos e inúteis, que querem fazer da educação o caixote do (falso) sucesso para posterior envio para a Europa e para o mundo. Tenho contrapseudo-jornalistas, como o senhor, que são, juntamente com os políticos, 'os inúteis mais bem pagos do país', que se arvoram em salvadores da pátria, quando o que lhes interessa é o seu próprio umbigo.

Assim sendo, sr. Miguel de Sousa Tavares, informe-se, que a 'informaçãozinha' é bem necessária antes de 'escrevinhar' alarvices sobre quem dá a este país, além de grandes lições nas aulas, a alunos que são a razão de ser do professor, lições de democracia ao país. Mas o senhor não entende! Para si, democracia deve ser estar do lado de quem convém. Por isso, não posso deixar de lhe transmitir uma mensagem com que termina um texto da sua sábia mãe: 'Perdoai-lhes, Senhor, Porque eles sabem o que fazem'."

15/10/2008

"Treinadores só para dois meses!"

Paulo Duarte, ex-treinador da União de Leiria e actual seleccionador do Burkina Faso, concedeu recentemente uma entrevista ao Jornal de Notícias muito interessante. De resposta simples, porém de um realismo inegável.

O treinador leiriense - o último caso de sucesso de treinadores portugueses no estrangeiro - sustenta que se valoriza pouco o trabalho desenvolvido pelos treinadores lusitanos em deterimento de estrangeiros. Para além disso, afirma que passou e acompanhou de perto diversos campeonatos europeus (França, Alemanha e Bélgica) e diz, sem rodeios, que os treinadores portugueses trabalham melhor que os outros, não trocando os métodos de treino nacionais por nada.

O ponto alto da entrevista é, em minha opinião, quando o Paulo Duarte crava o dedo na ferida e conclui: "Em Portugal, contratam-se treinadores por dois meses. Gostamos de bater no ceguinho e não damos estabilidade nenhuma. Quando a temos, os resultados aparecem.".

É um problema real e culturalmente enraizado, que pode e deve ser contornado. Todos nós gostamos de ganhar, contudo, nem sempre é possível. Quando não acontece, a culpa não é do avançado que falhou a grande penalidade, ou do guarda-redes que a defendeu, mas frequentemente do treinador. Ridícula esta mentalidade, mas profundamente sustentada em Portugal.